Siga a ABLP nas redes sociais

Boletim Diário Selur - 04/07/2018

 
Após anos de atraso e os efeitos da crise econômica, a Prefeitura de Campinas (SP) concluiu o projeto que promete coletar, tratar e aproveitar o lixo colhido na cidade sem sobrecarregar aterros e com foco em sustentabilidade. Desde 2013 uma solução definitiva para os resíduos por meio de parceria público privada (PPP) é trabalhada, mas sem resultados práticos. Ainda esta semana, o projeto será tornado público no Diário Oficial do município.
 
Uma nova estação de transferência do lixo coletado em Campinas (SP) foi inaugurada ontem com a promessa de evitar contaminação no solo do aterro Delta A, área inoperante devido a pendências judiciais e por ter atingido sua capacidade máxima há quatro anos. A estação prevê melhorias na condição do aterro, e a Prefeitura espera conseguir reativar sua operação por mais dois anos.
 
O governo do prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), encerrou em definitivo a PPP (Parceria Público-Privada) do Lixo, feita na gestão de Luiz Marinho (PT) e que demandava R$ 4,3 bilhões dos cofres municipais. Os efeitos da PPP já estavam suspensos por determinação de Morando, que apontou suspeita de irregularidades no acordo, e, na sexta-feira, o vínculo foi finalizado por completo. Para não descobrir a cidade de um serviço essencial, a Prefeitura assinou contrato emergencial com duas empresas para realização da atividade. O acordo envolve R$ 60,6 milhões para tratamento e destinação final de resíduos sólidos, varrição, limpeza de bocas de lobo e capinação.
 
Levantamento feito pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Rio Claro (SP) apontou que a cidade tem atualmente cerca de 180 pontos de descarte irregular de lixo. Quem jogar lixo em local proibido pode ser multado, mas para que ela seja aplicada, tem que haver o flagrante.
 
Em parceria com o governo do Estado do Rio de Janeiro, vinte cidades foram escolhidas para receber um caminhão de coleta seletiva, que vai auxiliar na substituição de lixões pela prática da reciclagem. De acordo com a empresa especializada em implementos rodoviários e que será a responsável por equipar os caminhões licitados, cada veículo terá autonomia para reciclar, no mínimo, cerca de 20 toneladas de lixo por mês.
 
Com capacidade para processar 32 toneladas de materiais recicláveis por dia, foi entregue ontem a primeira Instalação de Recuperação de Resíduos de Brasília. A unidade fica na Usina de Tratamento Mecânico Biológico do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), no P Sul, em Ceilândia.
 
A Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro), vinculada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado, participou do "1º Encontro de Meio Ambiente", promovido pela subprefeitura de Pirituba/Jaraguá, da capital, e pelo Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CADES-PJ) e Cultura de Paz, no último sábado. O evento teve o objetivo de despertar a consciência sobre o tema e contou com a presença do prefeito regional Pirituba/Jaraguá, Ivan Renato Lima, além do secretário do Verde e Meio Ambiente da prefeitura de São Paulo, Eduardo de Castro. "A população respondeu ao nosso apelo e desta forma, conseguimos conscientizar a população e preservar o meio ambiente", afirma Ivan Renato Lima.
 
Uma equipe da SEDEMA, Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, de Chapadão do Sul realizou uma visita técnica em uma Usina de Reciclagem de resíduos de Construção e em um Aterro Sanitário, em Campo Grande.

Revista Limpeza Pública

Revista Limpeza Pública - Edição

© ABLP Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública - Todos direitos reservados

DC2 Tecnologia e Comunicação Integrada